Compreender como usar dados torna-se a habilidade a mais importante de quem trabalha com marketing

big data

Compreender como usar dados torna-se a habilidade mais importante de quem trabalha com marketing, de acordo com Laurie Sullivan, escritora do site Media Post.

Cerca de 72% dos profissionais de marketing consideram a análise de dados como a habilidade mais importante que sua organização deve adquirir nos próximos dois anos, de acordo com um relatório divulgado na segunda-feira.

A segmentação e modelagem de dados também são consideradas importantes habilidades de marketing – com um ranking superior ao desenvolvimento da Web e ao design gráfico dentro do espaço da empresa.

Os resultados revelam que 65% dos “marqueteiros” agora consideram o gerenciamento de dados como sendo mais vital do que as mídias sociais. Cerca de 31% consideram mais importante que o desenvolvimento da Web; 23%, design gráfico; E 13%, search engine optimization.

A pesquisa da BlueVenn mostra que os profissionais de marketing estão gastando até 80% de seu tempo analisando dados. Este tempo é gasto na maior parte assegurando que os dados são otimizados para análise.

Embora os profissionais de marketing reconheçam a importância dos dados, 27% transferem o processo de análise de dados para o departamento de TI da empresa, basicamente porque não possuem as ferramentas corretas. Na verdade, a pesquisa mostra que 51% dos comerciantes acreditam que ou não têm as ferramentas certas para a análise de dados ou que as ferramentas que precisam ser melhoradas.

Anthony Botibol, diretor de marketing da BlueVenn, acredita que a indústria de tecnologia de marketing negligenciou os dados. “Não é que os marketers precisam se tornar cientistas de dados”, diz ele. “As empresas de tecnologia precisam intensificar-se e certificar-se de que os profissionais de marketing têm as ferramentas de que precisam para executar análises sem ter que tomar dados de um sistema e colocá-lo em outro.”

Um foco na compreensão dos dados do cliente tornou-se predominante em grandes empresas, onde quatro entre cinco marketers – ou 80% – consideram a análise de dados como uma habilidade vital. Eles gastam a maior parte de seu tempo obtendo os dados prontos em vez de realmente usá-lo, disse Botibol.

Alguns olham para cerca de 20 fontes de dados diferentes dentro de sua empresa, a partir de ponto de venda para comércio eletrônico para as plataformas de pesquisa paga, como Bing Ads e Google AdWords.

Fonte: MediaPost

Conclusão
Agora, minha conclusão sobre este texto acima, extraído de uma fonte muito recomendada no meio. Aproveito para criar um paralelo dentro da minha realidade profissional. Pode parecer suicídio profissional uma pessoa que faz design gráfico, web e ainda produz conteúdo de nicho divulgar uma notícia onde se diz que design gráfico, desenvolvimento web e social media content não estão em alta. Mas, a gente é realista e não tem medo de nada nessa vida. Penso que chegou o momento do Big Data estar mais acessível a todos. Encontramos plataformas que ficam muito caras para as empresas de porte médio e pequeno. Empresas de TI cobram uma fortuna para fazer a interligação da extração de diferentes fontes de dados. Precisamos que o pessoal do software livre se anime, antes que as Microsofts e Oracles da vida virem o padrão para este tipo de solução para todo o sempre “amém”.